quarta-feira, março 10, 2010

Mulheres!

Caras amigas, aí vai um texto - meio que atrasado - homenageando nós, mulheres. As que são, e as que serão. Porque não se nasce mulher, torna-se. Quase como que um super poder, de uma hora para outra a mulher dentro de nós brota, instantaneamente, sem aviso. E de repente... Puxa! Aí está você, Mulher. Mulher essa que nunca nos deixa na mão, muito pelo contrário. Quando nós mesmas esquecemos de quem somos, de quem fomos, quando estamos lá, sem mais defesas, a tal surge dentro de nós, levanta-nos, roda a baiana, sacode a poeira e lá vai. No momento que o homem faz como o avestruz - faz um buraco e se esconde - a mulher faz como o pavão - arrebita o rabicó, e vai com tudo. E sem perder a classe, com a verdadeira graça de ser o que é. Ela, quando mais precisa de força, tira de onde não tem, aguenta firme e se redescobre... Mulher.
A todas as mulheres que eu conheço: lindas, guerreiras, fortes, inteligentes: minha sincera admiração. Nós merecemos, e sabemos o porquê.

E agora, um texto sobre as mulheres que eu achei lindo:

Edson Marques


Não me bastam os cinco sentidos para perceber-lhes toda a beleza. Não me bastam os cinco sentidos para viver com totalidade o mistério profundo que elas trazem consigo. Eu tenho é que tocá-las, cheirá-las, acariciá-las, penetrar-lhes o sorriso, sentir o seu perfume, beijar-lhes o céu da boca, ouvir suas histórias, transformá-las em deusas. Tenho que dar-lhes o amor que o meu corpo conduz e sustenta-me a alma. O belo amor natural de todos os corpos e almas e coisas do mundo. Como espelho de paixões em labareda, tenho que sentir nos seus olhos um raro brilho diamante.

Eu as respeito e as venero, com a graça de um cisne satisfeito nadando num lago tranqüilo e a ousadia de um touro selvagem recém-despertado. Não lhes faço perguntas, não as pressiono por nada, não quero mudá-las jamais. Sempre imagino o que possam sonhar, e procuro suavemente entrar no sonho delas. Cavalgo o vento para visitar-lhes as razões, as emoções, as loucuras. E como um deus escandaloso e surpreso por sua própria criatura, eu entro então no coração de cada uma delas, deliciosamente, como se entrasse numa pulsante catedral. Mergulho na essência dos seus desejos e cada vez me espanto mais com tanta fantasia, com tanta formosura. Os cinco sentidos, por não serem precisos, ainda não bastam, e eu preciso mais do que isso para compreendê-las.

Toda mulher
é silenciosa por dentro. A existência pura se manifesta em cada detalhe. Assim na terra como no céu, amar as mulheres é uma experiência religiosa. E eu as amo, fina substância, como deve amar quem ama de verdade - incondicionalmente. Sem ciúmes. Eu amo as morenas, as loiras, as baixinhas, as altas, as lindas, as quase feias. Amo as virtuosas, as magras, as gordinhas, as diabólicas, as tímidas, e até as mentirosas. As iluminadas, as pecadoras, e as santíssimas. Amo as virgens, as pobres, as ricas, as loucas, as muito vivas, as inocentes. As bronzeadas pelo sol, e as branquinhas. As inteligentes, e as nem tanto. Desde que sensíveis, eu amo as jovens, as velhas, as solteiras, as casadas, as separadas. As bem-amadas, e as abandonadas. As livres, e as indecisas. E se me dessem o poder, o tempo, e, principalmente, a chance, eu a todas elas daria, todos os dias, um orgasmo cósmico e sublime. Poeticamente.

Apanharia flores silvestres, tomaria sol com todas elas. Andaríamos descalços na areia, contemplaríamos crepúsculos cor de abóbora, jantaríamos à luz de velas, dançaríamos, tomaríamos vinho branco, olharíamos as estrelas. E eu lhes faria poesias de amor. Puro como um anjo, amaria cada uma delas eternamente — uma por vez. Com delicadeza, com doçura, com profundidade, com inocência. Entusiasmado, como se cada uma fosse a única. Como se no mundo inteiro não houvesse mais nada, nem ninguém.

Todas as noites, passaria cremes e encantos no seu corpo. Falaria sobre fábulas, contaria histórias românticas, as veria dormir. Ao som de Vangelis, velaria por um tempo o sono delas, e de madrugada, antes do sol raiar, antes do primeiro pássaro cantar, as cobriria com o resto de luar que ainda houvesse, e sairia em silêncio. Como um felino lógico, sensual e saciado, deslizaria pelo cetim azul-celeste dos lençóis, saltaria por sobre todas as metáforas -- e sorrindo iria embora.

Enfim, se fosse Deus, eu com certeza não mais cuidaria do universo e dessas coisinhas banais. Não iria ficar controlando o destino das pessoas, o tempo, a pressa, os compromissos, as horas, o caminho dos planetas, a economia, o cotidiano, o infinito, a Internet, a geografia... Não!

Eu somente iria amar as mulheres, como elas merecem. E como nunca foram amadas.

Só isso, definitivamente. Nada mais, nada mais!

domingo, março 07, 2010

Nós Complicadas?

quarta-feira, março 03, 2010

As Borboletas - Poema lindíssimo de Ithalo Furtado.

Em busca de lindas borboletas tive a sorte de encontrar este lindo poema, digno de citação.

"As borboletas - de Ithalo Furtado"

"Cada um de nós
É uma explosão de lágrimas
É uma prisão de sonhos
Céu e abismo
Eterna casa em construção 
Cada um de nós
É conseqüência
De todo amor e indiferença
Que a gente em alguma parte da vida
Não conseguiu disfarçar
Quem agora guardará nossos segredos?
Quem velará nosso sono inteiro?
Quem pode me mostrar a calma contra esse louco afã?
Quem me dará o calendário de todos os amanhãs?
Mas, pro meu coração, todo dia
É uma página a ser escrita
Pois somos livro da nossa própria vida… 
Cada um de nós
Carrega a certeza cega
De que a tentativa
É alheia a entrega
E cada um sabe que é escuridão e luz
Daquilo que produz
Cada um de nós
É sábado de Cristo
É de segunda a segunda escravo de um poema
E crava o coração com o peso de sua pena
Cada um tem a força e a fraqueza
Que escolheu pra si quando teve a chance
De mudar toda a história com um simples gesto
Cada pessoa que sente que é de rocha
Essa poesia que cai ao chão como nuvem
E brilha feito o vagão de um trem de vaga-lumes
Tem a sensação de tocar estrelas
E desfazer-se em sonhos de algodão
Com as asas que a gente inventa quando canta uma canção
Com as asas das borboletas
Que bordam no céu com seus vôos lentos
Nossa oração"

http://poesiadiaria.wordpress.com/2009/08/27/as-borboletas/
terça-feira, março 02, 2010

Pedaçinho do meu diário.


Dia seguinte - Sinto como se uma nova mulher estivesse sentada aqui. Foi coisa de uma frase, ou a falta da mesma e meus olhos foram abertos. Sinto-me bem, apesar de tudo, pois nunca gostei de desconhecer o que a mim se refere.
Pena que esses encontros com novas mulheres internas, aconteçam à base de choro. E tem gente que ironiza as pessoas que choram! Dizem até que são fracas! Eu não quero nem me preocupar, com o que pensam eles por ai... Mal sei o que penso! São tantas coisinhas miúdas que aconteceram de ontem para hoje, que nem quero registrar para a posteridade. Nem sequer desejo reler mais tarde.
A nova mulher que surgiu, meio que do nada, que gosta de batons e botas de salto alto, não quer que eu rememore os acontecimentos. Ela disse-me: “Você e eu somos uma só, a minha maneira de ver as coisas é que é mais divertida, então comece a me seguir”...
Não disse na hora, mas digo agora, como é difícil te seguir e me deixar para trás.
Tecnologia do Blogger.
Ocorreu um erro neste gadget

Postagens populares

Total de visualizações

About Me

Minha foto
Mulheres em Trânsito
Sou alguem que aprendeu enfim a penetrar na profundidade do meu eu. Tenho descoberto diversos tesouros escondidos Coisas que quis ser e não fui. Como ainda respiro, provando estar viva, vou ser o que quero ser. Não sei se isso explica quem sou eu. Pois nem que eu usasse os 1200 caracteres permitidos, conseguiria dizer quem sou eu. Sou criança ainda estou aprendendo.
Visualizar meu perfil completo

Minha lista de blogs

Seguidores